sexta-feira, 13 de novembro de 2015

CAPES diz que mestrado da FACNORTE em Surubim não é reconhecido

Foto: Google Imagens

Nosso blog entrou em contato com a CAPES - órgão do MEC responsável por reconhecer e monitorar os cursos de Pós-Graduação Strictu Sensu(Mestrado e Doutorado)do país - para pedir informações sobre o curso de mestrado da FACNORTE que funciona em Surubim, tendo em vista a grande quantidade de pessoas que tem nos procurado para saber se o mesmo é reconhecido pelo MEC.
Já havíamos postado algumas matérias anteriores informando que não, que é apenas um curso livre, ou seja, não é mestrado acadêmico e nem profissional, apenas um curso de aperfeiçoamento dos conhecimentos, livre pra quem quiser fazer, com certificado da faculdade, mas sem validade alguma perante o MEC.
Assim sendo, quem fizer o mestrado de Surubim não pode concorrer a concursos de universidades, nem dar aula nas mesmas, nem em faculdades sérias, bem como as prefeituras e órgãos do governo não tem obrigação nenhuma de liberar tais profissionais para estudar e defender sua dissertação, nem pagar acréscimo de gratificação salarial, pois esse mestrado não tem reconhecimento do MEC e nem do Conselho Nacional de Educação. 
Em resposta ao email que enviamos, a CAPES/MEC confirmou que o mestrado de Surubim não é reconhecido, ou seja, não existe, e que a Faculdade do Norte do Paraná-FACNORTE, instituição que ministra o curso na cidade, não possui cursos de Pós-Graduação Strictu Sensu(Mestrado e Doutorado).
Vejam o que me respondeu a CAPES/MEC:
"Informamos que a instituição de ensino FACNORTE não possui cursos de pós-graduação stricto-sensu mestrado ou doutorado no país com recomendação da Capes. A lista com todos os cursos de pós-graduação stricto sensu (mestrado e doutorado) reconhecidos consta no menu Avaliação/Cursos Recomendados (http://www.capes.gov.br/cursos-recomendados). A sua pesquisa poderá ser realizada por área do conhecimento, por conceito ou por região".
Portanto, quem quiser saber quais os mestrados e doutorados reconhecidos pela CAPES em todo Brasil, entrem no link acima e verifiquem por estado e instituição.
João Paulo Lima
Professor, Mestrando em Educação na UPE e Blogueiro .

3 comentários:

  1. E finalmente em que cidade ele foi autorizado?? E como ficar sabendo???

    ResponderExcluir
  2. O Facnorte nõ possui autorização para funcionamento de mestrado em nenhum lugar do território nacional, segundo a CAPES/MEC.

    ResponderExcluir
  3. Olá, para quem entende algo sobre regulamentação pelo MEC sabe que para se reconhecer um curso de Graduação, Especialização, Mestrado ou Doutorado, deve-se mostrar muito esforço e resultados. Primeiro se inicia o curso e após o término da turma e todo o tramite legal é que vem o reconhecimento, se a Instituição tiver realizado tudo que o MEC determinou. Isso a FACNORTE vem trabalhando forte para realizar a cada final de semestre. Em minha turma aqui no município de Parnamirin/RN tivemos mais que 15 defesas de Mestrados, o que se mostra um projeto promissor esse de Juraci, diretor geral do projeto FACNORTE. Em Natal/RN já sabemos que outro Pólo conseguiu também um número expressivo de defesas.
    Quando entrei no curso de Mestrado já sabia que não era reconhecido perante o MEC, mas devido o valor da mensalidade não ser tão expressivo, e ter a grande vontade de estudar mais a fundo meu projeto de estudo, resolvi investir nesse sonho. Creio que o erro maior do Jurací foi querer crescer rápido de mais por todo o Brasil. Trata-se de um visionário que agiu muito rápido, foi muito mal assessorado. Ele tem muito o que melhorar, mas se encontra no caminho certo.
    Mesmo tendo toda essa visão sobre o Mestrado da FACNORTE, continuei no curso de Mestrado em Educação e Multidisciplinaridade junto a FACNORT no município de Parnamirim/RN, finalizando que 2015. Eu me considerava o aluno que mais insistia com a turma para imprensar a coordenadora na busca por respostas sólidas no que se refere ao reconhecimento do curso. Era um defensor de jogar o caso na justiça, a cada mês observava amigos abandonando o curso alegando que não iam mais investir nesse sonho. Eu sinto muito por esses colegas, os mesmos perderam a chance ter a experiência do que é uma produção de dissertação, do que é uma qualificação frente a uma banca composta por apenas doutores e o grande momento da defesa, tudo isso foi glorificante!
    Após terminar meu curso, vi que valeu muito todo o esforço, porque não teve nada fácil. Sempre tivermos ótimos professores selecionados a dedo, muito diferentes dos que se encontra nas Federais, em que muitos deles se valem da sua posição para colocar os mestrandos para digitar suas provas e também ministrar suas aulas. Sem falar na falta de responsabilidade e ética no processo seletivo. Disso sim eu tenho vergonha!
    Quando alguém tenta levar ensino de qualidade para os quatro cantos do Brasil, tornar esse país mais culto, sempre vai se deparar com muitos atropelos, faz parte. Eu posso falar porque fui aluno do Mestrado e participei de todos os processos seletivos exigidos pelo MEC. Se após o prazo determinado por lei eu não venha a receber meu certificado reconhecido pelo MEC, obviamente vou entrar na justiça contra a FACNORTE, porém cabe ressaltar que farei isso sabendo que O ERRADO NA HISTÓRIA É O MEC porque nós alunos, coordenação, juntamente com a direção geral da FACNORTE, fizemos tudo que foi exigido pelo MEC, cumprimos com tudo de maneira formidável e organizada. Não tem motivo algum para o não reconhecimento!
    Meu projeto de estudo é formidável e está em grande expansão na internet e redes sociais. Sou suspeito em falar da minha dissertação, entretanto, no meu ponto de vista ficou ótimo. Pode até vir a se mostrar melhor que grande parte dos Mestrados desenvolvidos nas Federais, os quais vão direto para gaveta após a obtenção do título, o que não ajuda em nada a nossa educação.

    Confira uma parte do meu projeto de Mestrado:

    https://www.youtube.com/channel/UCrz3knJKfOY4ffwLjn0nxsg

    ResponderExcluir